Proposta de aula: Para a turma do quinto semestre de História!

Música e cultura popular nas décadas de 1930-40

Autor Leila Floresta imagem do usuário

UBERLANDIA – MG Universidade Federal de Uberlândia

Co-autor(es)

Aléxia Pádua Franco, Leide Divina Alvarenga

Estrutura Curricular

Modalidade / Nível de Ensino
Componente Curricular
Tema

Ensino Médio
História
Cultura

Educação de Jovens e Adultos – 2º ciclo
História
Cidadania e cultura contemporânea

Ensino Fundamental Final
História
Cidadania e cultura no mundo contemporâneo

Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula

-Analisar a produção musical popular na Era Vargas.

-Refletir sobre as pressões exercidas pelo Estado, por meio da censura discográfica, para a veiculação da produção musical popular pelo rádio.

– Analisar o incentivo do Estado à criação de musicalidades nacionalistas e patrióticas.

Duração das atividades

04 aulas – 200 minutos

Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

– Informações em torno de gêneros musicais populares: samba, maxixe, lundu, modinha, samba-canção, samba-exaltação, marchinha, bolero, seresta, chorinho;

– Os conceitos de erudito e popular;

– Aspectos relacionados à história do rádio nas décadas de 1930-40;

– A atuação do DIP – Departamento de Imprensa e Propaganda do Estado Novo,- neste período.

Estratégias e recursos da aula

Atividades Propostas:

1- Montagem simulada de uma estação de rádio de 1940 e palestra.

Nesta atividade, os alunos serão estimulados a familiarizarem-se com o ambiente musical das décadas de 1930-40, a chamada “Era de Ouro” do rádio. Para tanto, sugere-se que os mesmos tragam para a sala de aula gravações musicais deste período, em CD´s, fitas-cassete ou discos, fotografias, capas de discos de vinil, cópias de recortes de revistas antigas, aparelhos de rádios antigos, vitrolas, microfones e roupas antigas, a fim de simular um auditório de rádio daquele período. A partir desta montagem, as músicas serão reproduzidas a fim de que os alunos possam diferenciar gêneros musicais, tais como: samba, bolero, chorinho, marchinha, seresta, maxixe, entre outros. Na segunda parte da atividade, será convidado um palestrante que tenha experiência no assunto, tais como: ex-locutores, ex-músicos, ex-cantores de rádio, ex-técnicos de rádio, ou mesmo parentes dos alunos que tenham histórias para contar sobre os anos dourados do rádio no Brasil.

Recursos da aula:

Cópias de recortes de revistas antigas, discos antigos, aparelhos de rádio, letras de músicas impressas, aparelho toca-discos, CD e fita-cassete, vestuário antigo.

Sites para consulta e pesquisa:

História do Rádio, Gravações, Trajetórias de Músicos e cantores do Rádio: http://www.collectors.com.br/

História da Rádio Nacional: http://pt.wikipedia.org/wiki/R%C3%A1dio_Nacional_Rio_de_Janeiro

Imagens de capas da Revista do Rádio: http://www.google.com.br/images?hl=pt-BR&rlz=1T4SKPB_pt-BRBR283BR292&q=revista+do+radio&um=1&ie=UTF-8&source=univ&ei=_hdYTPXYIImNuAfN9LDJCg&sa=X&oi=image_result_group&ct=title&resnum=5&ved=0CDsQsAQwBA&biw=1257&bih=547

Revista do Rádio – História – Reproduções da Revista: http://www.eradoradio.com.br/main_revistas.htm

Revista do Rádio – História – blogdarevistadoradio.blogspot.com/

Aparelhos de rádio antigos: imagens: www.radioantigo.com.br/

Roteiro da entrevista com o convidado:

– Nome, profissão, idade ( optativo).

– Como foi a sua experiência junto ao rádio ?

– Qual era a importância do rádio naquele período ?

– De que forma as pessoas participaram do desenvolvimento do rádio ?

– Quais eram os gêneros musicais mais ouvidos? Qual você preferia ? Por que?

– Quais personagens desta época marcaram a sua vida? Por que ?

2- Análise de trechos de documentos de época, audição e análise de músicas:

  O objetivo desta atividade é colocar os alunos em contato com a linguagem musical da época e interpretar as contradições entre o discurso nacionalista do governo Vargas e a veiculação e sucesso de gêneros musicais populares nas estações de rádio. Para tanto, a sala será dividida em grupos de até 4 alunos, sendo cada grupo responsável pela análise de um documento. As músicas poderão ser baixadas da Internet no site:     http://sonora.terra.com.br/#/home

2.1) O samba na ótica do Estado Novo: In: Revista Cultura Política – Departamento de Imprensa e Propaganda, 1941.   

“Nos dias que correm, é a música que reage contra o negro. (…) O sensualismo das gentes dos morros torna-se latente por trezentos dias. Nos meses, porém, de janeiro e fevereiro, vem para as ruas, e samba, e grita, e canta, e gesticula, e saracoteia, e ginga, num rodopiar, rodar, dansar, sapatear, entre a transpiração dos corpos, o cheiro ativo dos lança perfumes e o desbotar das serpentinas e confetti. (…) Enquanto não dominarmos esse ímpeto bárbaro, é inútil e prejudicial combatermos no ‘brodcasting’ o samba, o maxixe, a marchinha, e os demais ritmos selvagens da música popular. Seria contrariarmos as tendências e o gosto do povo. (…) A resolução está na elevação do nível artístico e intelectual das massas”. (…) A marchinha, o samba, o maxixe, a embolada, o frevo, precisam, unicamente, de escola. (…) O canto nas escolas e a importância que a música vem tendo, por força do radio, hão de confirmar as nossas esperanças. Os programas de calouros de nossas emissoras estarão, por certo, fadados a um importante lugar na arte do canto se lhes der o DIP orientação severa e bem controlada”.

SALGADO, Álvaro. “Radiodifusão, fator social”, in: REVISTA CULTURA POLÍTICA, nº 6, ago/1941, pp. 85-6.    

Roteiro de Análise: 1-  Identifique e encontre o significado de palavras ou expressões desconhecidas. 2-  Quem fez o texto? 3- Qual a época da produção do documento? 4- Qual é o assunto do documento? A quem ou a que se refere? 5- A quem é dirigido o discurso? 6- De que forma são retratados os sujeitos citados pelo autor? 7- Qual a visão que o autor  apresenta sobre a música popular? 8- Qual o papel que o autor defende para o rádio e a escola nesse contexto ?        

2.2) O rádio e o samba enquanto identidade da cultura popular no Brasil:    

Música: FEITIO DE ORAÇÃO  Compositores: Noel Rosa e Vadico Intérprete: Sílvio Caldas Ano da Gravação:1933 Gênero: samba-canção                                                  

“Quem acha vive se perdendo/ Por isso agora eu vou me defendendo/ Da dor tão cruel desta saudade/ Que, por infelicidade,/ Meu pobre peito invade /Batuque é um privilégio/ Ninguém aprende samba no colégio/ Sambar é chorar de alegria/ É sorrir de nostalgia/ Dentro da melodia/ Por isso agora/ lá na Penha Vou mandar/ minha morena Pra cantar/ com satisfação/ E com harmonia/ Esta triste melodia/ Que é meu samba/ em feito de oração/ O samba/ na realidade/ não vem do morro/ Nem lá da cidade/ E quem suportar uma paixão/ Sentirá que o samba então/ Nasce do coração.”                                                       

Música: AS CANTORAS DO RÁDIO  Compositores: Lamartine Babo/ João de Barro/ Alberto Ribeiro/André Ribeiro Ano da Gravação: 1936 – Gravadora Odeon.   Gênero: Marchinha Intérpretes:Rosita Gonzales, Nora Nei, Carmélia Alves, Violeta Cavalcante, Ellen de Lima e Zezé Gonzaga. CD “As Eternas Cantoras do Rádio”. Grav. ADDAF/Mangione. 1991.

  “Nós somos as cantoras do rádio/ Levamos a vida a cantar/ De noite embalamos teu sono /De manhã nós vamos te acordar. /  Nós somos as cantoras do rádio/ Nossas canções cruzando o espaço azul/ Vão reunindo, /num grande abraço/ Corações de norte a sul /  Canto! Pelos espaços afora/ Vou semeando cantigas/ Dando alegria a quem chora/ Canto! /Pois sei que a minha canção/ Vai dissipar a tristeza/ Que mora no teu coração. /  Canto!/ Para te ver mais contente/ Pois a ventura dos outros/ É alegria da gente./ Canto! /E sou feliz só assim /E agora peço que cantem /Um pouquinho para mim.    

2.3) A marchinha e o samba enquanto exaltação da identidade nacional:   

Música: “Quem é o tal” Compositores: Ubirajara Nesdan e Afonso Teixeira Intérprete: João Tetra de Barros Ano da gravação: 1942   

“Quem é que usa cabelinho na testa /e um bigodinho que parece mosca ? /Só cumprimenta levantando o braço/ Ê, ê, ê, ê, palhaço. (bis) ***/ Quem é que tem o G que representa a glória/ Quem tem o V que ficará na história/ com seu sorriso que nos dá prazer/ Ê, ê, ê, ê, vitória !”   

Música: “Desperta” Compositor: Grande Otelo;  Intérprete: Linda Batista; Ano da Gravação: 1943   

“ Ora viva a minha terra/ e o meu auriverde pendão…! (bis)/ Desperta, Brasil !/ Raiou teu alvorecer /Desperta, Brasil!/ Queremos lutar,/ queremos vencer/ Pequenina eu sei que sou/ mas sou brasileira também/ Desperta, meu Brasil ! /Você não pode perder para ninguém/ todos temos uma só bandeira/ Temos todos um só coração/ Mas, ora viva minha terra/ que tanta beleza encerra/ e o meu auriverde pendão !”    

Roteiro de Análise das músicas: A- Letras: – Quais opiniões o compositor pretende demonstrar? – Quais figuras de linguagem ( símbolos, metáforas) ele utiliza? – Como são retratados os sujeitos que aparecem na música? – Quais seriam os tipos de ouvintes que a música pretende atingir ? – Relacione a música ao contexto histórico em que foi gravada.   B-Melodias: – Caracterize o gênero musical. – Identifique o ritmo, arranjos musicais, instrumentos, acompanhamentos e efeitos sonoros.

3- Troca de documentos entre os grupos e debate:

Após a análise do documento e músicas pelos grupos, os mesmos serão trocados a fim de que um mesmo documento/música seja analisado por 2 grupos diferentes. Em seguida, no formato de círculo, os grupos apresentarão as suas interpretações sobre os documentos/músicas.

4- Simulação/Dramatização do auditório da Rádio Nacional, em 1940.

Nesta atividade, após a preparação e montagem do ambiente do auditório realizada na atividade 1, os alunos irão simular e dramatizar a realização de um programa de auditório da Rádio Nacional de 1940. Os alunos dividirão os papéis de apresentadores, produtores, contra-regra, músicos, cantores (as) e platéia. O trabalho poderá ser realizado de forma interdisciplinar com as áreas de Artes Plásticas, Teatro, Música e Língua Portuguesa. O programa poderá ser filmado a fim de divulgar o trabalho junto à escola. Poderão ser convidados pais e parentes mais idosos dos alunos para assistirem à apresentação. Ao final de todo o trabalho de pesquisa, poderá ser criado um blog na Internet para intercâmbio e divulgação do projeto, bem como buscar junto a direção e professores da escola, recursos e apoio logístico para a montagem de uma estação de rádio comunitária na escola, dirigida pelos próprios alunos.

POSSIBILIDADES INTERPRETATIVAS:

O ideal de brasilidade pretendido pelo Estado Novo passava pelo combate a gêneros musicais populares que incentivavam a malandragem, tratados como “selvagens”, como o samba e o maxixe, a fim de que se desenvolvesse o verdadeiro “espírito nacional” pela música. Estas críticas e ações foram observadas em publicações de propaganda do Estado Novo, como a Revista Cultura Política, na produção de manifestações públicas com a presença de grandes conjuntos de orquestras e corais de crianças, com a introdução do ensino de música nas escolas públicas, coordenado pelo músico e maestro Villa-Lobos, com a normatização dos desfiles de Escolas de Samba e pelo incentivo oficial aos músicos para que compusessem letras patrióticas e cívicas, mesmo que conservassem nas melodias tais gêneros populares. Como desdobramentos destas ações de censura e produção musical, os gêneros musicais populares, sobretudo o samba, ganharam adaptações de exaltação ao Brasil, ao lado da predominância de uma programação de sambas de breque, sambas de “partido alto”, sambas-canções, marchinhas, serestas, baiões e músicas sertanejas.

Abordagem Interdisciplinar dos Conceitos: – O professor de História, em conjunto com os professores de Sociologia,  Filosofia, Língua Portuguesa, Artes e Música, poderá discutir os conceitos de:  música erudita e música popular, além de reconhecerem as identidades e diferenças entre os gêneros musicais populares, os costumes e vestimentas do período estudado.

Recursos Complementares

Vídeo: – Mini-Série de TV : Dalva e Herivelto. Rede Globo, 2009. Relata a trajetória de vida e a carreira artística de Dalva de Oliveira ( cantora) e Herivelto Martins (cantor e compositor), os desajustes amorosos, o sucesso e a decadência de ambos, trazendo como pano de fundo o ambiente boêmio da Lapa no Rio de Janeiro das décadas de 1940-50 e 60.

Sites importantes com Acervos Fotográficos, Documentos e Gravações de Músicas e Depoimentos de época:   

*Arquivo Estadual de São Paulo: WWW.arquivoestado.sp.gov.br

*CPDOC – FGV – RJ- Centro de Pesquisa em Documentação de História Contemporânea do Brasil – Fundação Getúlio Vargas: WWW.cpdoc.fgv.br

*Museu da Imagem e do Som – RJ- WWW.mis.rj.gov.br

*Arquivo Nacional – RJ – WWW.arquivonacional.gov.br

Livros:

– TINHORÃO, José Ramos.História social da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34, 1998.

– LENHARO, Alcir. Cantores do rádio: a trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo. Campinas/ UNICAMP, 1995.

Avaliação

A Avaliação poderá ser feita na forma de exposição oral, em que o aluno apresentará os seus conhecimentos sobre o assunto e os resultados das atividades propostas. A apresentação do programa de rádio poderá ser avaliada a partir da participação coletiva dos alunos e no envolvimento individual na montagem das atividades, nas quais poderão ser apreendidos a capacidade de reconhecimento de gêneros musicais do período estudado, o questionamento em torno da utilização da musicalidade popular pelo Estado Novo e a percepção da música radiofônica como suporte de identidades, hábitos e linguagens urbanas populares.

Extraído de:http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=20430

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s