Turma: 5º termo – Disciplina: História e cultura afro-brasileira

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

“A Lei Nº. 10.639/03 que “Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece asDiretrizes e Bases da Educação Nacional, obriga a incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a temática “História e Cultura Afro-Brasileira” e dá outras providências”. A aprofundada análise feita pelo Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno, consubstanciada no Parecer CNE/CP 03/2004, informou a Resolução Nº. 1, de 17 de junho de 2004, do CNE, que “Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana”.

No entanto sabe-se do desconhecimento da sociedade e dos professores em relação aos conteúdos exigidos pela Lei. A partir dessa constatação a trabalharemos em conjunto para apreciar a disciplina de História e cultura afro-brasileira. Pensar esse curso é pensar o país em que vivemos com sua formação histórica e sua marca africana indelevelmente deixada em todas as instâncias da vida nacional. Perseguir a meta de conhecer nossas origens e nossas raízes é buscar sedimentar nossa identidade ainda inconclusa.

Conhecer a África de ontem e de hoje, a história do Brasil contada na perspectiva do negro, com exemplos na política, na economia, na sociedade em geral é uns dos objetivos que se pretende atingir na disciplina. Pretende-se ainda reafirmar a constante presença da marca africana dos nossos ancestrais na literatura, na música, na criatividade, na forma de viver e de pensar, de andar, de dançar, de falar e de rir, de rezar e festejar a vida. Existe ainda a pretensão de dar aos alunos e futuros professores os mecanismos indispensáveis para o conhecimento de um Brasil fortemente marcado pela cultura africana na perspectiva de mudança da mentalidade preconceituosa. Conhecer e a aplicar a legislação tem a finalidade de fazer cumprir e garantir a plena eficácia do Art. 5º da Carta Magna “Todos são iguais perante a lei”, na certeza de que não há desiguais, mas diferentes. O respeito à diferença deve ser um dos sustentáculos de uma sociedade democrática, sonho de um país justo, e de uma sociedade marcada pela cidadania, pela inclusão.”

Ps. Desejo um bom semestre e espero dedicação e participação de todos na disciplina. Prof. Fabio.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s